;
Sinais precoces de Atrofia Muscular Espinal (AME) tipo 1 Sinais precoces de Atrofia Muscular Espinal (AME) tipo 2
Signs of SMA

Para bebés com AME, um diagnóstico rápido é essencial. Isso porque qualquer lesão nos neurónios motores inferiores, que ocorra antes do tratamento, é irreversível4,5

O QUE É A AME?

A AME é uma doença monogénica hereditária, progressiva e rara, caracterizada pela degeneração dos neurónios motores inferiores e por fraqueza muscular6–10

Sem tratamento, a AME é a 2a doença autossómica recessiva fatal mais frequente depois da fibrose quística11

A AME continua a ser a principal causa genética de mortalidade infantil na ausência de intervenção terapêutica5,10

A AME afeta aproximadamente 1 em cada 10.000 – 12.000 nados-vivos e pode surgir independentemente da raça ou do sexo6,12

Mais de 1 em cada 58 pessoas são portadoras da mutação da doença13

Habitualmente, a AME é classificada em 4 fenótipos (Tipos 1-4) que variam em gravidade. Os Tipos 1 e 2 de AME são as formas mais graves e mais frequentes com início entre o nascimento e os 18 meses de idade3,5,10

...
...

CAUSA DA AME

A AME é causada pela ausência ou disfunção do gene da sobrevivência do neurónio motor 1 (SMN1)14–18

O organismo possui um gene de «salvaguarda» (back-up), o SMN2, contudo, apenas é capaz de produzir uma pequena quantidade de proteína SMN funcional, que é insuficiente para a sobrevivência e a função do neurónio motor6,14,15,17,18

Clique para ver a diferença

Indivíduo não afetado:

  • A proteína SMN é crucial para a sobrevivência neuronal e para a formação da junção neuromuscular15

  • O SMN1 é o gene principal que codifica a proteína SMN, funcionando o gene SMN2 como um «back-up»15,19

Proteína SMN funcional

Proteína SMN não funcional

Proteína SMN funcional

Proteína SMN não funcional

Indivíduo afetado:

  • Ausência ou disfunção do gene SMN114–17

  • Sozinho, o SMN2 é incapaz de produzir proteína SMN suficiente6,14,15,18

  • A deficiência de proteína SMN leva à degeneração e à perda irreversíveis da função muscular na AME5,14,15

Proteína SMN funcional

Proteína SMN não funcional

Proteína SMN funcional

Proteína SMN não funcional

INTERROMPER A PERDA NEURONAL

A perda de neurónios motores na AME é irreversível4,5

Selecione o intervalo etário:

Progressão da doença

Mais de 90% dos doentes não tratados, com AME Tipo 1, não irão sobreviver ou irão necessitar de apoio ventilatório até aos 2 anos de idade20

Qualquer atraso no diagnóstico da AME Tipo 1 pode pôr em risco a sobrevivência dos neurónios motores inferiores,4 com impacto direto na função neuromuscular21

A sua referenciação rápida é crucial para parar ou atrasar a progressão da doença, e permitir que os seus doentes tenham acesso aos melhores cuidados disponíveis4,10,22

Atrofia Muscular Espinal (AME) tipo 1 progressão da doença em lactentes com 0-6 meses Atrofia Muscular Espinal (AME) tipo 1 progressão da doença em lactentes com 0-6 meses

PNCR: Taxas de sobrevivência* da AME Tipo 1

NeuroNext: Taxas de sobrevivência* da AME Tipo 1

PNCR, Pediatric Neuromuscular Clinical Research

*Sobrevivência livre de eventos para PNCR = sem morte e sem necessidade de ventilação contínua ≥16 horas/dia durante 14 dias, na ausência de doença aguda reversível;20 n = 23 (Doentes Tipo 1 com 2 cópias de SMN2). Sobrevivência para NeuroNext = sem morte ou sem intubação; n=2021.

Adaptado de Anderton RS e Mastaglia FL. 201515, Finkel RS. 201324, Finkel RS, et al. 201420 e Kolb SJ, et al. 201721.

Progressão da doença

Apesar de os doentes diagnosticados com AME Tipo 2 (com início da doença entre 6-18 meses de idade) conseguirem, possivelmente, alcançar as etapas motoras nos primeiros anos de vida, todos os doentes irão apresentar um declínio claro e progressivo durante o acompanhamento de longo prazo8

Qualquer atraso no diagnóstico da AME pode pôr em risco a sobrevivência dos neurónios motores inferiores,4 com impacto direto na função neuromuscular21

A sua referenciação rápida é crucial para parar ou atrasar a progressão da doença, e permitir que os seus doentes tenham acesso aos melhores cuidados disponíveis4,10,22

Atrofia Muscular Espinal (AME) tipo 2 progressão da doença em lactentes com 6-18 meses Atrofia Muscular Espinal (AME) tipo 2 progressão da doença em lactentes com 6-18 meses

TIMPSI: Média do Test of Infant Motor Performance Screening Items (Questões de Avaliação de Desenvolvimento Motor Infantil)

Adaptado de Kolb SJ, et al. 2017

IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE

O diagnóstico rápido da AME é essencial, dado que qualquer lesão que ocorra antes do tratamento é irreversível4,5

O diagnóstico precoce da AME é crítico para:25–27

  • Iniciar a intervenção terapêutica ideal e as estratégias de tratamento

  • Aliviar a tensão e a sobrecarga sentidas pelos doentes e pelos cuidadores

A investigação sugere que a intervenção médica precoce possibilita o maior benefício na AME10,22,28

Atrofia muscular espinhal (SMA) tipo 1 cronograma de diagnóstico em lactentes com 0 a 6 meses

Adaptado de Serra-Juhe C e Tizzano EF, 201919

A sua intervenção precoce pode limitar os danos irreversíveis associados à AME4,5,10,29

Referências

Referências
  • 1. Kolb SJ and Kissel JT. Neurol Clin. 2015;33(4):831–46.
  • 2. Prior TW, Leach ME, Finanger E. Spinal Muscular Atrophy. 2000 Feb 24 [Atualizado 2019 Nov 14]. In: Adam MP, Ardinger HH, Pagon RA, et al., editors. GeneReviewsR [Internet]. Seattle (WA): University of Washington, Seattle; 1993–2020.
  • 3. Wang CH, et al. J Child Neurol. 2007;22(8):1027–49.
  • 4. Govoni A, et al. Mol Neurobiol. 2018;55(8):6307–18.
  • 5. Glascock J, et al. J Neuromuscul Dis. 2018;5(2):145–58.
  • 6. Verhaart IEC, et al. Orphanet J Rare Dis. 2017;12:124.
  • 7. Richter T, et al. Value Health. 2015;18(6):906–14.
  • 8. Mercuri E, et al. Neurol. 2019;93(13):e1241–7.
  • 9. Mercuri E, et al. Orphanet J Rare Dis. 2020;15(1):84.
  • 10. Schorling DC, et al. J Neuromusc Dis. 2020;7:1–13.
  • 11. D’Amico A, et al. Orphanet J Rare Dis. 2011;6:71.
  • 12. Cure SMA (2019). About SMA. Disponível em: https://www.curesma.org/about-sma/. Data acesso: Abril 2021.
  • 13. Verhaart IEC, et al. Additional file 2: Table S1. Overview carrier frequencies of SMA. Supplementary material to Verhaart IEC, et al. Orphanet J Rare Dis. 2017;12:124. Disponível em: https://ojrd.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13023-017-0671-8. Data acesso: Abril 2021.
  • 14. Coovert DD, et al. Hum Mol Genet. 1997;6(8):1205–14.
  • 15. Anderton RS and Mastaglia FL. Expert Rev Neurother. 2015;15:895–908.
  • 16. Lefebvre S, et al. Cell. 1995;80:155–65.
  • 17. National Institute for Health (NIH) (2020a). Genetics home reference. Your guide to understanding genetic conditions. SMN1 gene. Disponível em: https://ghr.nlm.nih.gov/gene/SMN1. Data acesso: Abril 2021.
  • 18. NIH (2020b). Genetics home reference. Your guide to understanding genetic conditions. SMN2 gene. Disponível em: https://ghr.nlm.nih.gov/gene/SMN2. Data acesso: Abril 2021.
  • 19. Serra-Juhe C and Tizzano EF. Eur J Human Genet. 2019;27(12):1774–82.
  • 20. Finkel RS, et al. Neurology. 2014;83(9):810–7.
  • 21. Kolb SJ, et al. Ann Neurol. 2017;82(6):883–91.
  • 22. Kirschner J, et al. Eur J Paediatr Neurol. 2020 Jul 9:S1090–3798(20)30142–2. Published online ahead of print.
  • 23. Swoboda KJ, et al. Ann Neurol. 2005;57(5):704–12.
  • 24. Finkel RS. Neuromuscul Disord. 2013;23(2):112–5.
  • 25. Qian Y, et al. BMC Neurology. 2015;15:217.
  • 26. Mammas IN and Spandidos DA. Exp Ther Med. 2018;15:3673–9.
  • 27. Lurio JG, et al. Am Fam Physician. 2015;91(1):38–44.
  • 28. Waldrop MA and Elsheikh BH. Neurol Clin. 2020;38(3):505–18.
  • 29. Lowes LP, et al. Pediatr Neurol. 2019;98:39–45.
;
;